num

Atelier-Museu Júlio Pomar

Tratado dos Olhos
Júlio Pomar

A exposição Tratado dos olhos é um (auto)retrato do artista enquanto vidente: uma apresentação do seu modo próprio de olhar. Mas como dar a ver o olhar? Para revelar os olhos do pintor, fazemos um desvio da sua prática artística bem conhecida, e tornamos acessível, colocando no centro da exposição, uma parte fundamental da obra de Júlio Pomar, desconhecida de muitos: os escritos sobre arte que tem vindo a publicar desde os anos 40. A parte escrita: uma reflexão profunda e continuada sobre o ofício de pintor e o trabalho no atelier, uma análise crítica da obra de outros artistas e da sua própria obra, uma procura exigente de maior compreensão, pela palavra, da relação entre a arte e a vida.

A partir da centralidade dos textos, interrogamos o modo como o olhar do pintor, o seu ponto-de-vista pessoal, se formou e quais as suas influências: as conversas com outros (um auto-retrato no café), as leituras (uma parte da biblioteca), a atenção ao mundo em que vive, o olhar para as obras de outros pintores – Uccello, Chardin, Delacroix, Ingres, Courbet, Goya, Malevich, Bacon…

Assim, a exposição aproxima-nos de telas de Pomar em que a influência directa de outros pintores é determinante; de pequenos cadernos de apontamentos e de desenhos de viagens, de visitas a museus; de livros que leu ou ilustrou; das palavras e de entrevistas que deu ao longo dos anos.

Deste modo, Tratado dos olhos questiona o que é ver e propõe uma relação íntima entre o “olhar, a mão e a palavra” na obra – escrita e artística – de Júlio Pomar.

Curadoria: Paulo Pires do Vale

Visita guiada

Atelier-Museu Júlio Pomar
Rua do Vale, 7
1200-472 Lisboa
+351 215 880 793
info@ateleirmuseujuliopomar.pt
www.ateliermuseujuliopomar.pt


marker Usar minha localização atual