num

Artistas Unidos

Noite, noite mais do que hoje
João Jacinto

 

”Quando a taciturna chegar e decapitar as túlipas”, dizia Paul Celan, o poeta que logo procurei ao chegar um dia destes do atelier do João Jacinto e ele me mostrar uma infinidade de papéis (não disse desenhos, não sei se são, o carvão aqui pinta o magma, a noite sem redenção, serão pintura). “Quando a taciturna chegar.” E neste poema, ele pergunta: ”quem assomará à janela?” Procuro esta poesia para salvar o susto? Redimir o temor? Procuro estes dizeres para arrumar o medo? Para sobreviver ao inverno dos corpos? Na arte (mortuária? espectral?) de João Jacinto, emergem figuras, assombrações, pesadelos, fantasmagorias. Emergem, disse. Mas podia também dizer ”afundam-se”. E repetem-se, repetem-se, repetem-se, avassaladoras.

Jorge Silva Melo

Artistas Unidos
Rua da Escola Politécnica 54
1250-102 Lisboa
961 960 281
www.artistasunidos.pt


marker Usar minha localização atual