num

Centro Cultural das Mercês

Emergência
Colectiva

O discurso artístico acontece para a emergência de um colectivo cultural. Através da(s)
forma(s) de expressão escolhida(s) pelo(s) autor(es) transmite-se a mensagem, está patente
o que nos identifica: a nossa alma e o nosso corpo, pormenores e detalhes, figura
integrante do que somos, do que nos lembramos, daquilo em que nos transformamos e
que (re)inventamos – a nossa própria essência, o regresso ao infinito. O discurso é criar,
é estarmos vivos.
Associam-se ideias, pensamentos e vontades, movimentam-se identidades e paixões,
nascem estruturas e plataformas, consagram-se novidades, há discurso e a arte é real,
o colectivo é possível.
A emergência torna-se um evento permanente, o conteúdo do discurso artístico, a ética
da sua própria estética, cada ser é um tema, cada assunto é uma conversa, todo o autor é
um projecto e todo o espectador é um freguês, o local é uma zona com obra feita, a freguesia
da vida no município da identidade, a emergência artística é o discurso da
(r)evolução contemporânea de qualquer actualidade, é a alternativa escolhida.
Manuel Pessôa-Lopes / Curador

Inauguração

Centro Cultural das Mercês
Rua Cecílio de Sousa, 94
1200 Lisboa
+351 961 391 916


marker Usar minha localização atual